Iniciativa de Cézar Bombeiro e Marcial Lima em mandar tapar buracos no Reviver repercute

Primeiramente a repercussão foi entre cidadãos que acompanharam a execução das obras, seguindo-se  flanelinhas do estacionamento do Reviver e centenas de motoristas que estacionam seus veículos no local. Nas redes sociais as manifestações foram bem acentuadas e hoje ela chegou ao plenário da Câmara Municipal.

O importante é que Marcial Lima e Cézar Bombeiro, mandaram tapar os enormes buracos na entrada e saída do estacionamento do Reviver, foi como uma ação de protesto contra a Prefeitura de São Luís e a Semosp, destacando que se os gestores não atendem pedidos e reivindicações de vereadores em favor do povo, naturalmente que ignoram as suas próprias responsabilidades, registraram hoje no plenário do legislativo municipal os dois vereadores.

Durante a sessão de hoje, depois de manifestações de vários  edis, o vereador Marquinho, fez criticas contundentes contra o prefeito Edivaldo Holanda Júnior e o secretário Antonio Araújo, responsabilizando-os por sérios problemas em centenas de comunidades, ressaltando que a cidade de São Luís é um retrato do abandono e do descompromisso público. Ele disse que alguns locais está disposto a imitar Marcial Lima e Cézar Bombeiro  e ir ajudar as comunidades a executar obras, antes que tenham maiores prejuízos com os acentuados volumes pluviométricos que  estão chegando a São Luís.

Rumo à Páscoa com esperança

Bispos de diversas dioceses brasileiras se manifestam como Missão Profética

Dom Pedro Carlos Cipollini
Diocese de Santo André

Escreveu um famoso escritor: “Somente quando de tudo desesperarmos é que a esperança começa a ser verdadeira força”. De fato, foi assim com os discípulos e discípulas de Jesus, após sua trágica morte na cruz. E assim será através dos séculos com todos os verdadeiros seguidores de Jesus. Isto porque existe na fé cristã o paradoxo da cruz. É pela cruz que vem a vitória, é passando pelo calvário que se chega à glória, é morrendo que se vive. Desta forma o cristianismo é fruto de um evento histórico no qual o vencedor antes é vencido, aliás, é no momento de sua derrota que ele vence: “morrendo destruiu a morte e deu-nos a vida”.

A Semana Santa é para nós momento solene e sublime no qual recordamos o Mistério Pascal. Mais que recordar, nós o celebramos com muito amor e carinho, traduzidos na preparação que inclui a confissão, as orações com seu ponto alto nas “24 horas para o Senhor”, e demais celebrações nas várias comunidades e paróquias de nossa Diocese de Santo André.

No Domingo de Ramos se faz a memória da entrada de Jesus em Jerusalém com a procissão de Ramos. Jesus entra na cidade aclamado como messias. Porém, logo se decepcionam com ele pois não é um messias político ou guerreiro, como a maioria esperava. Ele veio trazer a paz, o perdão que reconcilia, o amor que partilha a vida. Seu messianismo foi rejeitado e continua rejeitado através dos tempos, por todas as forças opressoras, com base no poder e na dominação. É o reino do pecado contraposto ao Reino de Deus que Jesus nos traz.

Na quinta-feira santa Jesus nos deixa o mandamento do amor, “amar como ele amou”. A Eucaristia que é presente, memorial deste amor capaz de dar a vida. Ele ensina que o amor verdadeiro se traduz em serviço. Na quinta-feira inicia-se o tríduo pascal.

Na sexta-feira santa recordamos Jesus que morre na cruz por nós. Este mistério é profundo e mais que todos, rejeitado pelo nosso mundo baseado na força da técnica, e no poder econômico que tudo subjuga. É na cruz que temos a salvação e a vida porque a cruz é o máximo sinal do amor, amor que é a morte da morte. No sábado santo a Igreja passa à beira do túmulo de Jesus, refletindo, meditando e rezando este acontecimento.

Na Vigília Pascal e no domingo de Páscoa a Igreja celebra a vitória do amor, a vitória da cruz: “Vitória tu reinarás, ó cruz tu nos salvarás”. Diante do crucificado ressuscitado se dobrem todos os joelhos. Ele se humilhou e obedeceu (ouviu voz do Pai e nela perseverou não levando em conta as consequências), até à morte e morte de cruz. Por isso Deus o exaltou.

A festa da Páscoa renova nossa esperança para caminharmos de esperança em esperança, até o fim dos tempos. O dia de domingo é o dia que ilumina toda a semana, pois nele vivemos todo o mistério Pascal de Cristo e da Igreja. Cada Páscoa é um marco de renovação da comunidade que ouve o ressuscitado dizer: “Ide, vós sereis minhas testemunhas até os confins da terra”( Mc 16,15). FELIZ PÁSCOA!

Fonte: CNBB Nacional

Câmara dos Deputados aprova indenização por danos morais a vítimas de violência doméstica

A vítima não precisa apresentar prova; a confirmação do crime de violência doméstica já é suficiente para que gere dano moral ou material

As vítimas de violência doméstica e familiar poderão ter direito de receber indenização por danos morais. É o que prevê um projeto de lei aprovado recentemente pela Câmara dos Deputados, e que, agora, segue para análise do Senado.

De acordo com a proposta, a vítima não precisa apresentar prova, pois a confirmação do crime de violência doméstica já vai ser suficiente para que se gere dano moral ou material. Porém, para que isto aconteça, a vítima ou o Ministério Público terá que entrar com um processo judicial.

Além disso, o projeto deixa claro que o juiz, ao receber a denúncia de violência doméstica, pode determinar, como medida protetiva, que o agressor faça um depósito caução, para evitar que ele se desfaça dos bens para não ter que pagar indenização para a vítima no fim do processo. E é ele quem vai determinar o valor tanto da caução quanto da indenização, de acordo com cada caso.

Segundo o autor do projeto de lei, deputado Júnior Bozzella (PSL-SP), o intuito da proposta é fazer justiça, já que os números de mulheres violentadas no país são alarmantes.

“Um dano moral é irreparável. Não há dinheiro no mundo que possa recuperar a moral e a dignidade de uma mulher agredida. Por hora, 500 mulheres são agredidas no nosso País. Os números são realmente muito graves”, enfatiza.

Dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) mostram que cresceu nos últimos dois anos o número de processos em andamento no Poder Judiciário de casos de feminicídio, violência contra mulher e adoção de medidas protetivas. Segundo um quadro elaborado pelo Departamento de Pesquisas Judiciárias do CNJ, no ano passado, havia mais de 1 milhão de casos pendentes de violência doméstica.
 

 

O fim dos “conselhos” onde prevalecia o sistema de “boquinha” para a “cumpanherada”

O governo juntou vários “conselhos” (que serviam como local de empregar os companheiros de campanha) e enxugou mais de 700 destes puxadinhos. Resultado? A mídia espalhou que o “Conselho de crianças com deficiência foi extinto porque Bolsonaro não tem um deficiente em casa e não se importa!”

Ora, de todas as primeiras damas que tivemos, essa é a que mais se importa com a causa, inclusive, pela primeira vez, teremos pessoas com deficiência auditiva e visual, trabalhando nas pastas que cuidam de pessoas com deficiência auditiva e visual!

Não é interessante?

Assim como teremos índios cuidando da questão indígena! Não é fantástico?

Por que não fizeram isso antes?

Porque tinham que dar empregos pra “cumpanherada” e nessa hora, deficiente e índios “só ocupam vagas”.

Tiveram 16 anos para resolver e não mexeram um dedo, só deram emprego e mais emprego para os companheiros.

Acabou o poder, acabou o dinheiro, perdeu o emprego.

É assim que funciona nas prefeituras também.

Por que seria diferente com o governo federal?

Raquel Brugnera

Pós Graduando em Comunicação Eleitoral, Estratégia e Marketing Político – Universidade Estácio de Sá – RJ.

 

TJMA aprova regulamento para provimento de concurso público para cargos efetivos

TJMA aprovou hoje a realização de concurso público para cargos efetivos na instituição

O Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) aprovou, em sessão plenária administrativa extraordinária nesta segunda-feira (15), resolução que trata do Regulamento do Concurso Público para provimento dos cargos efetivos de servidores do Poder Judiciário estadual. De acordo com o documento, competem à comissão do concurso, a ser composta por três desembargadores, dentre eles o presidente da Corte, o planejamento, a coordenação e o acompanhamento das atividades pertinentes à realização do certame.

A execução do concurso público ficará a cargo de instituição especializada em processos de recrutamento e seleção de recursos humanos, contratada especialmente para essa finalidade. O nome desta instituição constará no edital de abertura de inscrições, que trará ainda informações como número de vagas a serem oferecidas em cada cargo ou indicação de que se trata de formação de cadastro de reserva, descrição sumária das atribuições dos cargos, requisitos básicos para a investidura, jornada de trabalho, remuneração inicial, critérios de avaliação e de classificação, disciplinas e conteúdos, entre outras.

“Nosso objetivo com o concurso é atender ao princípio constitucional de eficiência administrativa, selecionando, de forma isonômica e transparente, profissionais qualificados, visando elevar a primazia absoluta à qualidade da prestação jurisdicional, mantendo atualizadas as atividades institucionais para garantir uma resposta judicial efetiva à sociedade maranhense”, assinalou o presidente do TJMA, desembargador Joaquim Figueiredo.

O edital será submetido, preliminarmente, à aprovação do presidente do TJMA e será publicado no Diário da Justiça, dando-se ampla publicidade pelos demais meios de comunicação, nas localidades onde forem oferecidas as vagas, inclusive em jornal diário de grande circulação em âmbito nacional, além dos sites do Tribunal e da instituição que executará o certame.

INSCRIÇÕES E PROVAS – As inscrições serão realizadas exclusivamente via internet, por meio do site da instituição contratada, e terão prazo mínimo de 15 dias. O concurso poderá ser realizado em etapa única ou em etapas distintas, mediante a aplicação de provas, de caráter eliminatório e/ou classificatório, em que serão avaliados conhecimentos gerais e específicos sobre as disciplinas e conteúdos constantes do edital de abertura de inscrições.

As provas para aferição de conhecimentos gerais serão objetivas, e as de conhecimentos específicos poderão ser objetivas e/ou discursivas. Esta última modalidade abordará tema atual e poderá versar sobre tema relacionado à área de atividade ou à especialidade do cargo. Além dessas provas, será aplicada prova de títulos, de caráter classificatório.

O Capítulo IV do Regulamento trata do candidato com deficiência e do autodeclarado negro. Estabelece que, às pessoas com deficiência, devem ser reservadas cinco por cento do total de vagas de cada cargo oferecido no edital ou das que surgirem no prazo de validade do concurso, que será de um ano, prorrogável por igual período, a critério do TJMA, contado da data da publicação oficial do ato homologatório do resultado final.

O candidato com deficiência aprovado no concurso será submetido à perícia médica, a ser realizada pela instituição promotora do certame.

Em outro artigo, o capítulo informa que serão reservadas vinte por cento do total de vagas de cada cargo oferecido ou das que surgirem no prazo de validade do concurso para as pessoas negras, nos termos da Lei Estadual nº 10.404/2015. Para concorrer a estas vagas, o candidato deverá assim se autodeclarar, no momento da inscrição no concurso público, de acordo com os critérios de raça e cor utilizados pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os candidatos que se autodeclararam negros serão submetidos, obrigatoriamente antes da homologação do resultado final do concurso, ao procedimento de verificação da condição declarada para concorrer às vagas reservadas aos candidatos negros, apresentando-se à comissão avaliadora, nos termos do edital.

APROVAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO FINAL – Os critérios de aprovação e da pontuação das provas, inclusive das provas de títulos, serão estabelecidos no edital de abertura de inscrições. Os candidatos habilitados serão nomeados por ordem de classificação por cargo e especialidade. Antes da nomeação, o candidato deverá submeter-se a exame de saúde perante a junta Médica do Tribunal de Justiça, que requisitará os exames necessários para formação do laudo.

No ato da posse, o candidato que não apresentar a documentação exigida, será automaticamente eliminado do concurso. Entre os documentos exigidos no regulamento para a posse estão a comprovação da idade mínima de 18 anos, de escolaridade exigida para o cargo, prova de quitação com obrigações eleitorais, de quitação com obrigações militares (apenas para candidatos do sexo masculino) e prova do registro profissional, quando exigido para o cargo, entre outros.

O candidato terá ainda que apresentar certidões criminais negativas fornecidas pelas Justiças Estadual, Eleitoral e Federal de 1º e 2º Graus, além de certidões negativas do Tribunal de Contas da União e do Tribunal de Contas do Estado, todas elas das localidades onde residiu nos últimos dez anos.

Comunicação Social do TJMA

 

Osmar Filho visita comunidades e ouve reivindicações de moradores

O vereador Osmar Filho vem visitando comunidades e recebendo muitas reivindicações.

O vereador Osmar Filho (PDT), presidente da Câmara Municipal de São Luís, realizou, neste último fim de semana, mais uma etapa de visitas aos bairros da capital maranhense.

O parlamentar esteve no Anjo da Guarda, na área Itaqui-Bacanga, oportunidade na qual conversou com os moradores; ouviu suas reivindicações; e se comprometeu em trabalhar, perante o poder público, para transformá-las em realidade.

O pedetista visitou várias residências e estabelecimentos comerciais.

Uma recepção acolhedora foi promovida pelos moradores ao vereador. O pedetista, durante sua estadia pela região, acompanhou a vivência das comunidades daquela área.

Durante sua caminhada pelas ruas, ouviu solicitações da população e conversou com os moradores sobre a localidade, melhorias e demais demandas.

Para Osmar Filho, retornar às comunidades e acompanhar o desenvolvimento da região, o motiva a lutar no parlamento municipal pelas necessidades dos ludovicenses.

‘”Estar com as pessoas, poder ouvi-las e ajudar com nosso trabalho é gratificante, pois nos motiva a continuar os projetos que estamos desenvolvendo no Parlamento’, afirmou.

No domingo, Osmar Filho participou de feijoada solidária promovida pelo vereador Marquinhos (DEM), na região da Vila Luizão, em prol da saúde da Laura Brito, diagnosticada com câncer.

O presidente da Câmara elogiou a inciativa Marquinhos e se colocou à disposição para pautas frequentes sobre a temática da saúde e da colaboração solidária em benefício dos que mais precisam.

Fonte: Osmarassescom

Fernando José de Sá Vale Serra

Carlos Nina

Faleceu ontem (12/04/2019), no começo da manhã (06:30h), segundo notícia que me mandou por WhatsApp o amigo comum Argemiro Braga Guará, Fernando José de Sá Vale Serra, ou simplesmente Sá Vale, como era conhecido.
De geração anterior à minha, quando o conheci seu círculo de amigos era integrado por Eugênio Giusti, Manoel Ribeiro, Mário Salmer (Bazuca), Murilo Sarney, dos quais me tornei amigo, e outros de cuja amizade não privei, dentre os quais, Zé Leite e Marconi Caldas.

Inteligente e culto, autodidata, era um bom papo. Autor de sonetos de rara beleza, poesias e trovas de fino humor (a exemplo das que falam da Bilharina e a do FGTS) que compartilhava com seus amigos, tinha memória prodigiosa e conhecia como poucos a história de São Luís e de sua gente.

Tinha domínio sobre a Língua Portuguesa. Aprovado em concurso para o Banco do Brasil, onde ficou pouco tempo, foi igualmente aprovado para o Banco da Amazônia, oportunidade em que convivemos mais de perto, trabalhando ambos na agência da Pedro II, onde construímos novas amizades, como José de Ribamar Gonçalves Bastos, Marcelo Matos Viana Pereira, Maria Frassinette Rayol Fontoura,  Oton Leite Fernandes, Ubirajara Zoroastro Rodrigues Batista dentre outros igualmente queridos.

Algumas vezes saímos do BASA, cujo expediente matinal terminava às 13h, e parávamos no bar do Hotel Central, marco entre as Praças Pedro II e Benedito Leite e ponto de encontro de amigos. A conversa ficava animada e se intensificava com a chegada de Carlos Cunha, Murilo Sarney e outros que a memória escondeu.

Lembro-me dos dois porque num desses encontros terminamos em Caxias, por sugestão de um deles, com Carlos Cunha, já tarde da noite, declamando poemas seus e de outros poetas de sua predileção.

Levado pelo amigo Manoel Ribeiro para a Câmara Municipal de São Luís, ali prestou inestimáveis serviços e onde ainda é lembrado com respeito e carinho.

Passou depois a frequentar o Shopping São Luís com um grupo de amigos, dentre os quais Hildebrando Nunes Lopes Filho, Jesus Guanaré e Luiz Alfredo Bandeira.

Sempre que nos encontrávamos gostava de contar aos que não sabiam, ou repetir aos que sabiam, algumas de nossas histórias comuns, especialmente uma visita que me fez, numa sexta-feira, e que terminou no domingo, depois de muita conversa, à qual outros amigos se agregavam ao longo desses dias, como Aldir Ferreira Dantas e Domingos Barros, sustentada por uma respeitável pescada encontrada no mercado de peixe, no velho prédio da Rua Antônio Rayol, em frente à casa do Coronel Arlindo Faray, regada ao gaúcho Bordeaux.

A outra foi um encontro na Praça João Lisboa, no abrigo, no quiosque de Adauto, ainda hoje atendendo sua clientela no mesmo ponto onde Ribamar Bogéa colocava o seu toca fita para o ouvirmos interpretando os cantores de sua preferência. Eram duas horas da manhã, hora em que deixava a redação do Jornal Pequeno, como o fazia rotineiramente, às vezes na companhia do próprio Ribamar Bogéa, Aldir Dantas, Eloy Cutrim e Luiz Vasconcelos.

Estava no Abrigo, na tranquilidade da boemia segura daquele tempo, conversando com Eugênio Giusti, quando Fernando surgiu dirigindo o Aero Willys de Carlos Cunha. Dali saímos para outras histórias memoráveis, como tantas outras de Fernando e seus amigos, das quais uma delas é a visita que fizeram a  amigo recém casado e que não estava para recebê-los. Aproveitaram  o ensejo e rearrumaram o layout dos móveis e foram embora.

Não fui ao seu velório. Não porque, como argumentava Didi (Diomedes) Pereira, amigo de meu pai e ex-prefeito de Turiaçu e de São José de Ribamar, ele não vai ao meu. Mas porque a distância (espaço) dos últimos tempos nunca afetou o bem querer mútuo e a tristeza venceu minha vontade de ir. Resta-me a lembrança dos bons e divertidos momentos que compartilhamos.

Carlos Nina

SMTT desafia o prefeito e tripudia da população de São Luís mantendo esculhambação no Reviver

Por inúmeras vezes já mostrei e vou continuar mostrando o desrespeito que a SMTT impõe ao prefeito de São Luís e a população, quando de maneira vergonhosa não determina fiscalização para impedir o acesso de veículos a área restrita do Reviver. Garanto que todas as vezes que tiver oportunidade de ver o desrespeito denuncio para que a população possa ter conhecimento do descaso das autoridades com emanado de uma lei do executivo municipal.
O interessante é que o secretário da SMTT, subordinado do prefeito dar a entender a total indiferença, não apenas a lei, mas a determinação pública do prefeito Edivaldo Holanda Júnior. Diante da realidade que vivenciamos atualmente, a cidade está totalmente abandonada com uma buraqueira infernal e o secretário da Semosp não é diferente do titular da SMTT e assim a esculhambação vai prosperando na administração municipal. Fica cada vez evidente de que o prefeito é uma espécie de rainha da Inglaterra, que reina, mas não governa. O cidadão Edivaldo Holanda Júnior é uma pessoa, que merece o meu maior respeito e admiração, mas como gestor público, diante do emaranhado politico em que se envolveu e o destrói, a minha posição tem que ser da critica contundente.

Procissão de ramos ao longo dos séculos e nas diferentes tradições litúrgicas

Neste Domingo de Ramos, 14, a Igreja católica entra na ‘grande Semana’, fazendo memória dos últimos acontecimentos da vida de Jesus. Os textos litúrgicos dão a este Domingo dois títulos: de Ramos e da Paixão. Nisso, se reflete a história que deu origem aos ritos e se destacam duas dimensões não só da Semana Santa, mas da fé: a Realeza de Cristo e seu sofrimento. “São as duas componentes do Mistério pascal: a paixão e morte oprobriosas e a exaltação messiânica do Senhor”, afirma dom Armando Bucciol, presidente da Comissão para a Liturgia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).
Dom Armando Bucciol explica que os dois ritos têm origem nas Igrejas de Jerusalém e de Roma. Ele conta que desde o IV século, a Igreja de Jerusalém recordava a entrada triunfal de Jesus na cidade santa realizada segundo a profecia de Zacarias: “Agora o teu rei está chegando, justo e vitorioso. Ele é pobre, vem montando num jumento” (Zc 9,9).
O título “da Paixão” dado também a este domingo, conforme explica dom Armando vem da Igreja de Roma que, neste dia, focalizava a memória da Paixão do Senhor. “Orações e leituras mantêm este trato e a leitura do Evangelho da Paixão é o momento mais significativo da liturgia deste domingo”, garante.

Dom Armando Bucciol, presidente da Comissão para a Liturgia. Daniel.

Dom Armando não sabe ao certo quando as duas diferentes tradições litúrgicas se deram, mas ele garante que foram acolhidas reciprocamente pelas duas grandes Igrejas e suas tradições litúrgicas. “Com certeza, já na primeira metade do século VII, na Espanha, isso acontecia, como testemunha santo Isidoro de Sevilha”, afirma.
As reformas litúrgicas da Semana Santa, realizadas durante o pontificado de Papa Pio XII (1951 e 1955), e a reforma conciliar mantiveram o sentido originário da festa, polindo-a dos elementos que não tinham coerência com a sua identidade. “A procissão de ramos, ao longo dos séculos e nas diferentes tradições litúrgicas, recebeu sempre mais solenidade e participação popular”, revela dom Armando.
O bispo relata ainda que todas as orações da missa deste domingo (Oração de Coleta, Sobre as Oferendas, depois da Comunhão e o Prefácio) destacam e unem o mistério da morte com o evento da ressurreição, como no prefácio que diz: “Sua morte apagou nossos pecados, sua ressurreição nos trouxe vida nova”. Ou ainda como escreveu Paulo na II leitura da carta aos Filipenses: “De fato, o Pai, ‘exaltou’ (ressuscitou) o Filho Jesus Cristo, e agora ‘toda língua’ proclame que Ele é ‘o Senhor’.
“Iluminados e orientados pela espiritualidade da liturgia, vivamos a Semana Santa neste equilíbrio entre morte e vida, sacrifício e solidariedade, empenho e esperança, sofrimento e amor. Cientes de que a morte de Jesus é expressão de seu grande amor, e que a ressurreição é a luz que se irradia em todos os dias não só da Semana, mas de toda a nossa vida”, finaliza dom Armando.
Fonte: CNBB Nacional

Concurso TJMA: regulamento está na pauta de sessão da próxima semana

Presidente do TJMA convoca sessão extraordinária que inclui na pauta o regulamento do concurso para servidores e PL sobre plano de cargos.

Novidades sobre o concurso do TJ-MA – Tribunal de Justiça do Maranhão – poderão ser divulgadas em breve. Acontece que o presidente do órgão, desembargador Joaquim Figueiredo, convocou uma sessão administrativa extraordinária que inclui na pauta o regulamento do concurso para servidores.
Além disso, a agenda menciona um Projeto de Lei que altera o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos Servidores do TJ-MA. A sessão será realizada na próxima segunda-feira, 15.
Nesta sexta-feira, 12, circulou na internet a informação de que o PL diz respeito à escolaridade do cargo de oficial de justiça, que passaria do nível médio para o nível superior. FOLHA DIRIGIDA entrou em contato com o Tribunal para confirmar o teor do projeto, mas não houve retorno até o fechamento desta matéria.
O cargo de oficial de justiça já exigiu o nível superior em Direito, no concurso aberto em 2009. No entanto, alterações mais recentes na legislação mudaram a exigência para o nível médio completo.

Fonte: Folha Dirigida